Em MS, 500 mil pessoas vivem com menos de R$ 400 por mês

Pesquisa aponta que número de pessoas na linha da pobreza aumentou no Estado

Em Mato Grosso do Sul, aproximadamente 500 mil pessoas vivem na linha da pobreza, com menos de R$ 406 mensal, valor inferior aos US$ 5,5 por dia (segundo a cotação do período analisado), adotado pelo Banco Mundial para definir se uma pessoa é pobre nos países em desenvolvimento.

Os dados são referentes ao ano de 2017 e fazem parte da pesquisa Síntese de Indicadores Sociais (SIS 2018), divulgada hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Conforme a pesquisa, no ano passado, 2,646 milhões de pessoas residiam em Mato Grosso do Sul, em 902 mil residências. Do total da população, 18,9% estavam na chamada linha da pobreza.

O numero indica que houve aumento no contingente de pessoas pobres, na comparação com o ano de 2016, quando 17% da população sobrevivia com o valor estipulado pelo Banco Mundial. Com a população de 2,6 milhões, o porcentual correspondia, em 2016, a 442 mil pessoas abaixo da linha da pobreza.

Segundo o IBGE, a recessão econômica dos últimos anos foi responsável pelo aumento das pessoas nestas condições. 

Além do rendimento abaixo do salário mínimo, a pesquisa aponta que grande parte da população vive em domicílios com inadequações nas condições de moradia, como ausência de banheiro ou sanitário de uso exclusivo do domicílio; paredes externas construídas com materiais não duráveis; adensamento excessivo, com mais de moradores por dormitório e ônus excessivo com o aluguel, quando o valor é superior a 30% da renda domiciliar.

No Brasil, a proporção de pessoas pobres no Brasil era de 25,7% em 2016 e subiu para 26,5%, em 2017. Em números absolutos, esse contingente variou de 52,8 milhões para 54,8 milhões de pessoas, no período.